+ 55 (41) 3276-8601 | Fax + 55 (41) 3276-8224 frettes@frettes.com.br

Drewry avalia que a retração econômica e os preços dos equipamentos levaram a baixas históricas.

Por Cleci Leão – Guia Marítimo

Redução de custos tanto na produção quanto nos materiais, além do enfraquecimento da demanda fizeram com que os preços de novos containers no mercado internacional caíssem para níveis extremos, segundo o último relatório da Drewry. “Para 2016, ainda são esperadas novas quedas”, constata a edição Container Census da consultoria global especializada.

No final de 2015, o preço de referência do CEU (ou padrão de 20 pés) era US$1.450, já cerca de 24% abaixo dos US$ 1.900 registrados no ano anterior. O preço médio anual também já vinha de uma queda de 15% em relação a 2014 e, ao final de 2015, os valores haviam caído para níveis muito próximos da menor baixa do mercado, vista apenas em 2001-2002.

O analista de containers da Drewry, Andrew Foxcroft, credita as quedas à retração da economia: “Algumas das quedas que testemunhamos recentemente resultaram do estado de enfraquecimento generalizado da economia global, bem como da queda na demanda do mercado. E a previsão da Drewry é de que, em 2016 ainda haja mais declínio nos preços totais, resultado que já se pôde antever quando os valores chegaram a se aproximar dos US$ 1.300 no segundo trimestre”, disse Foxcroft.

Os valores totais de reposição de equipamentos na frota global haviam caído US$ 77 bilhões em 2015, o que representou praticamente 15% a menos do que nos cinco anos precedentes, de 2010 até 2014, quando a renovação da frota movimentara cerca de US$ 90 milhões.

Durante o ano de 2015, a frota global de containers cresceu 3,8%, chegando a 37,6 milhões de Teus, a menor taxa de crescimento jamais vista, com exceção do ano de 2009, quando a frota mundial foi de fato encolhida pela crise financeira despontada nas bolsas americanas. De acordo com o relatório da Derwry, os próximos anos ainda reservam perspectivas muito baixas de crescimento: de 2016 a 2019 o aumento da frota mundial de containers não deve ultrapassar os 4 a 5%.

O maior crescimento numérico do setor, de 6,4%, aconteceu mais uma vez na frota de unidades de 40 pés, principalmente de cargas secas e refrigeradas, contra 3% de crescimento nas unidades de 20 pés. “A frota de containers de 40 pés ainda deve continuar se expandindo, ainda mais rapidamente do que a média global geral, o que deve ocorrer em detrimento das unidades menores” conclui Foxcroft.

O relatório Container Census 2016″ é uma publicação anual de Drewry Maritime Research e pode ser adquirido diretamente no site da companhia.